Pular para o conteúdo principal

Um Dia de Artista


Um das coisas mais legais que eu já fiz na vida... foi ter ido ao Programa do Jô, com Glecy Coutinho como entrevistada, é claro! A ideia surgiu da própria Glecy, no final de 2012. Lembro-me que estávamos encerrando nossas atividades na Secretaria de Cultura, organizando prestação de contas, quando Glecy falou que gostaria de participar do Programa do Jô. Glecy é Glecy!

Uns quatro meses, depois de enviado o texto, eles me ligam. Eu estava na faculdade e fiquei sem reação, não acreditava que isso aconteceria tão rápido. Depois de vários emails trocados, enviaram as passagens pra gente, eu fui de acompanhante. Foi a primeira vez que andei de avião. Todo mundo olhou pra gente, quando nos aproximamos do cara com a plaquinha da Globo. Éramos artistas. Bom, Glecy já era fazia tempo.

Após nos acomodarmos no hotel, um hotel muito chique por sinal, fomos para os estúdios da Globo, em São Paulo. O Programa do Jô não é gravado no Projac (Projeto Jacarepaguá), no Rio. Eu não fazia ideia de quem era os outros artistas que estava lá. Nem pedi autógrafo. Eu sei que tinha um tal de Thunderbird, da MTV, que até hoje eu não sei quem é, fumando um cigarro eletrônico. Tinha um cheiro gostoso, acho que era de canela ou baunilha, não lembro.

Enquanto Glecy estava sendo maquiada, a maquiadora falou "isso daqui é pro HD", e pá! Não sei que bruxaria foi aquela, mas Glecy ficou mais nova que eu. Uma lona esticada, muitos cabos, "taubas", becos, panos, é o que se esconde por trás dos belos estúdios de TV. Gambiarras sem fim, mas que de casa ficam lindos. Sentei na primeira fileira da platéia, mas logo fui tocado por alguém que gritava "na primeira fileira, só os figurantes, FIGURANTES". Eu entendi a indireta. Fui pra terceira ou quarta. 

Quase chorei durante a entrevista, foi lindo. Os risos e aplausos foram de verdade. O Jô grava todas as entrevistas da semana em um dia. Ele chega cedo e fica até tarde da noite gravando, uma entrevista seguida da outra. É um pique invejável! É estranho porque, no camarim,  pela TV, víamos os programas que ainda iriam ao ar. Falando em camarim, esqueci meu celular carregando lá, nem deu pra tirar foto. Depois disso, nem esperamos pra falar com o Jô, fomos encher o buxo à custa da Globo.

No restaurante, ofereceram-me Sushi, mas como eu ainda não tinha comido, disse que não gostava. Hoje, eu gosto bastante e sei usar os pauzinhos. Depois, fomos para o hotel. Como eu sou pobre, eu adorei ficar mudando a temperatura do quarto de quenta para frio. Na cama, tinha quinhentos mil lençóis. Gente, eu demorei meia hora pra conseguir deitar, e mais meia hora pra me cobrir. É muito lençol, imagina lavar aquilo tudo?!

O que aprendi com tudo isso? É que nem tudo é como imaginamos. A TV parece um sonho, mas não é. Você vê um galã super másculo enquanto é  entrevistado, mas, no restaurante, dá pinta horrores. Artistas sempre felizes em frente as câmeras, mas quando as luzes se apagam, são gente como a gente, com seus problemas, depressões e dificuldades. Que a Globo é MUITO rica e poderosa. E depois desse sonho, voltei a pegar meu Expresso Aracruz - Sta Cruz via Irajá, às 6h da manhã, pra trabalhar.

Assista à participação de Glecy no Programa do Jôhttp://goo.gl/xqKBMt

Postagens mais visitadas deste blog

Piquenique das Cores e o Medo do Novo

Recentemente, fui pego de surpresa pela repercussão de uma simples atividade, um piquenique. Não sei ao certo o que as pessoas que criticaram pensaram sobre a atividade, mas houve uma grande resistência, o que provocou manifestações de ódio e apoio. O tema do piquenique é a luta contra LGBTfobia e pela visibilidade LGBT, uma pauta da juventude e dever do Poder Público, e que compõe a II Quinzena Estadual de Combate à LGBTfobia.


Antes mesmo de nascer, o médico já define nosso sexo,  segundo nossa genitália, recebemos um nome e, desde então, somos moldados conforme os costumes da nossa família e sociedade. Poderíamos viver tranquilamente o resto da vida, acreditando ser o que nos ensinaram a ser. Entretanto, algumas pessoas fogem do condicionamento e passam a duvidar de sua identidade, de sua construção social, e o conceito de "certo" e "errado", sobre seu corpo e sexualidade, cai por terra.
Todas essas mudanças causam desconforto, pois nos tiram da zona segura …

Eu Queria Ser Um Monstro

Há um ano, uma amiga me oferecia batom e eu não aceitava. Eu disse “não, obrigado”. Não era um simples “não” de quando te oferecem vodca, sendo que você não bebe, ou quando você “dá um fora” em alguém nada interessante na balada. Foi um “não” seguido de um “por quê não?” que ecoava mentalmente pelos dias seguintes.
Logo quando tive que morar sozinho, houve mudanças. Não só mudanças físicas, como também psicológicas. Passei a comer praticamente de tudo. A ouvir outros estilos musicais. Experimentar, beijar, chupar, tocar, engolir, gritar, soprar, raspar, esfregar, vomitar, perder o fôlego, cair, levantar, apoiar, cantar, gravar, filmar, pausar e silenciar.
(Fotografia: Lisandra Mendes - "A Beleza da Diversidade", 2017)
Ao poucos, fui me permitindo mudar, usar batom, pintar as unhas e a comprar roupas consideradas femininas. Eu faço isso porque eu acredito que as coisas não deveriam ser separadas dessa forma. Quero ter a liberdade de experimentar e descobrir quem eu sou. Eu ta…

Risqué

Desde que comecei a usar brincos, pintar minhas unhas, passar batom e me apropriar de tudo que é considerado feminino, algo estranho aconteceu. Eu acabei descobrindo minha masculinidade. Claro que quando falo de masculino e feminino, digo na forma padrão, como a sociedade constrói em nossas mentes. Um mulher de cabelos longos, maquiada, magra, de vestido ou saia, roupas rosa e feminina. Embora não seja este tipo de mensagem que quero passar, experimentar esta forma tornou-se importante para mim, contrapondo o padrão masculino em que fui construído.
("A beleza da diversidade" de Lisandra Mendes)
Desde pequeno, sou condicionado a não ser afeminado. Passei pelo bullying em família, na escola, faculdade, no grupo de amigos e, enfim, decidi “cagar” pra tudo isso. Não é algo fácil e nem tão simples. O que chamamos de “desconstrução” é um processo lento e delicado. Mas ele nos permite questionar coisas que nos foram impostas. Daí nasce a oportunidade de se apropriar do que antes e…