Pular para o conteúdo principal

A Closeira do Maternal

Era mais um domingo e, como todo domingo, íamos à casa da minha avó. Ela fazia doces maravilhosos, entre eles o meu favorito que era cocada. Um ritual de infância, eu tinha meus 3 ou 4 anos. Lembro-me que nessa época comecei a frequentar o maternal. Logo no primeiro dia, eu fui super empolgado, de mãos dadas com mamãe, até o portão da escolinha. De repente, ela solta minha mão e fala pra eu entrar. Não só falou, como também me obrigou!

Naquele momento, eu percebi que teria que me virar sozinho. Não fiquei nem um pouco feliz. Colocaram-nos num refeitório, sentados à mesa. Deram-nos uma bola, dessas de soprar, pra ficar segurando. As crianças seguraram as bolas, meio que sem saber o que tava acontecendo. Nessa altura eu já estava chorando rios e cachoeiras. Quando me entregam minha bola eu já fui logo estourando. Olhei para o lado e estourei a bola do colega. Olhei para o outro para estourar a dele também, mas já tentavam me conter.

Uiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii
7
(meu gato passando no teclado)

Pensei comigo “como essas crianças podem se contentar com uma bola, enquanto estamos longe de nossas mães?”. O fato é que tivemos que nos adaptar. Eu fico feliz de ter gritado, esperneado, de não ter aceitado aquela separação calado e de não ter sido comprado com uma mísera bola. As tias preparam tudo com tanto carinho, um mural colorido, com um palhacinho feliz dando boas-vindas. Meio estranho porque a gente ainda não sabia ler. E eu sendo a criança chorona que estragava o rolê.

A gente tem que aprender a conviver sem as pessoas que amamos por perto. Chegamos a dizer que se fulano morrer, morreremos junto, mas não, não morreremos. E é incrível que durante alguns momentos, nem que sejam segundos, a gente nem se quer lembra que aquela pessoa existiu algum dia. Diante disso, eu me pergunto se todo aquele escândalo que fiz no primeiro dia de aula fez alguma diferença, porque um dia você vai sair da escolinha e ninguém vai estar te esperando no portão.

Postagens mais visitadas deste blog

Piquenique das Cores e o Medo do Novo

Recentemente, fui pego de surpresa pela repercussão de uma simples atividade, um piquenique. Não sei ao certo o que as pessoas que criticaram pensaram sobre a atividade, mas houve uma grande resistência, o que provocou manifestações de ódio e apoio. O tema do piquenique é a luta contra LGBTfobia e pela visibilidade LGBT, uma pauta da juventude e dever do Poder Público, e que compõe a II Quinzena Estadual de Combate à LGBTfobia.


Antes mesmo de nascer, o médico já define nosso sexo,  segundo nossa genitália, recebemos um nome e, desde então, somos moldados conforme os costumes da nossa família e sociedade. Poderíamos viver tranquilamente o resto da vida, acreditando ser o que nos ensinaram a ser. Entretanto, algumas pessoas fogem do condicionamento e passam a duvidar de sua identidade, de sua construção social, e o conceito de "certo" e "errado", sobre seu corpo e sexualidade, cai por terra.
Todas essas mudanças causam desconforto, pois nos tiram da zona segura …

Eu Queria Ser Um Monstro

Há um ano, uma amiga me oferecia batom e eu não aceitava. Eu disse “não, obrigado”. Não era um simples “não” de quando te oferecem vodca, sendo que você não bebe, ou quando você “dá um fora” em alguém nada interessante na balada. Foi um “não” seguido de um “por quê não?” que ecoava mentalmente pelos dias seguintes.
Logo quando tive que morar sozinho, houve mudanças. Não só mudanças físicas, como também psicológicas. Passei a comer praticamente de tudo. A ouvir outros estilos musicais. Experimentar, beijar, chupar, tocar, engolir, gritar, soprar, raspar, esfregar, vomitar, perder o fôlego, cair, levantar, apoiar, cantar, gravar, filmar, pausar e silenciar.
(Fotografia: Lisandra Mendes - "A Beleza da Diversidade", 2017)
Ao poucos, fui me permitindo mudar, usar batom, pintar as unhas e a comprar roupas consideradas femininas. Eu faço isso porque eu acredito que as coisas não deveriam ser separadas dessa forma. Quero ter a liberdade de experimentar e descobrir quem eu sou. Eu ta…

Risqué

Desde que comecei a usar brincos, pintar minhas unhas, passar batom e me apropriar de tudo que é considerado feminino, algo estranho aconteceu. Eu acabei descobrindo minha masculinidade. Claro que quando falo de masculino e feminino, digo na forma padrão, como a sociedade constrói em nossas mentes. Um mulher de cabelos longos, maquiada, magra, de vestido ou saia, roupas rosa e feminina. Embora não seja este tipo de mensagem que quero passar, experimentar esta forma tornou-se importante para mim, contrapondo o padrão masculino em que fui construído.
("A beleza da diversidade" de Lisandra Mendes)
Desde pequeno, sou condicionado a não ser afeminado. Passei pelo bullying em família, na escola, faculdade, no grupo de amigos e, enfim, decidi “cagar” pra tudo isso. Não é algo fácil e nem tão simples. O que chamamos de “desconstrução” é um processo lento e delicado. Mas ele nos permite questionar coisas que nos foram impostas. Daí nasce a oportunidade de se apropriar do que antes e…