Pular para o conteúdo principal

Vivendo e Aprendendo a Jogar

O motor do carro estava batido, mas não era só ele que precisava de um conserto... coração também bate - no sentido do motor - e, às vezes, precisa de uma revisão, uma limpeza, alguém que cuide e dê carinho. Coração não é dessas coisas que se quebrar, a gente joga fora e compra um novo. Coração é ventilador antigo, daqueles de ferro, que vale a pena consertar. Trocar uma peça e botar pra rodar novamente. 

"Eu não sei como agir!". Não sei se era sobre o motor ou sobre o ventilador. Ele apenas disse ao acaso. Talvez esperando alguém responder algo do tipo "eu te entendo" ou "ligue pro guincho". Corpos tão perto, mas tão distante. Ninguém respondeu, só o vento.


Eu ficava o tempo todo me perguntando se seria possível continuar aquela viagem. “Até aonde a gente consegue ir?”. Eu perguntei, mas ele insistia em não ter a reposta. Não sei se já contei, mas éramos três – não a novela – éramos três: eu, ele e o vento. Bom, se formos contar as pessoas... havia uma terceira pessoa, mas eu a desconsiderarei. Se nos cálculos eu posso desprezar o atrito, então desconsiderarei a terceira pessoa para evitar atritos.

A vida sempre tem dessas coisas, de uma terceira pessoa.

Saímos do carro e nos entregamos ao vento. Acenei para o primeiro carro e fui embora. Era melhor eu ir, antes que meu coração batesse como o motor. Sabe, eu me cobro bastante essa coisa de ter resposta pra tudo. As pessoas dizem que não preciso saber ou entender. Basta seguir. Mas o problema é que só isso não me convence. Não me satisfaz.

A busca por uma resposta, antes mesmo de ter uma pergunta, sempre me tirou o sono. Bom, na verdade, nunca me tirou o sono, porque nada nessa vida consegue me tirar o sono. Eu sou um daqueles abençoados – ou não – que consegue dormir até mesmo dormindo. A verdade – a minha verdade – é que as pessoas querem SIM uma resposta pra tudo.

Ora! Se, por acaso, eu disser algo aleatório como “pássaros vermelhos queimam chinelos num oceano rosa”, ninguém vai entender nada e logo me perguntarão “Você tá louco” ou “Que isso, cara?”. Eles querem uma resposta. Eles não entendem. E eu não sou diferente. Eu também não entendo.

Pegar carona é praticar o ato do desapego. Você entra num carro, conversa com a pessoa, diz pra onde vai, talvez até conte sobre seus planos, certamente falará sobre sua vida, seus problemas - um drama... quem sabe? – e depois... Bom, depois nunca mais verá aquela pessoa novamente. Ela não te passará seu telefone, nem o e-mail pessoal. Você também não pedirá pra adicionar em nenhuma rede social. Melhor que tudo acabe ali. Você não vai querer prolongar este sofrimento, vai?

Eu sofro porque me apego muito rápido às pessoas.

Porque ela continuará sua viagem. Temos que continuar.


Postagens mais visitadas deste blog

Piquenique das Cores e o Medo do Novo

Recentemente, fui pego de surpresa pela repercussão de uma simples atividade, um piquenique. Não sei ao certo o que as pessoas que criticaram pensaram sobre a atividade, mas houve uma grande resistência, o que provocou manifestações de ódio e apoio. O tema do piquenique é a luta contra LGBTfobia e pela visibilidade LGBT, uma pauta da juventude e dever do Poder Público, e que compõe a II Quinzena Estadual de Combate à LGBTfobia.


Antes mesmo de nascer, o médico já define nosso sexo,  segundo nossa genitália, recebemos um nome e, desde então, somos moldados conforme os costumes da nossa família e sociedade. Poderíamos viver tranquilamente o resto da vida, acreditando ser o que nos ensinaram a ser. Entretanto, algumas pessoas fogem do condicionamento e passam a duvidar de sua identidade, de sua construção social, e o conceito de "certo" e "errado", sobre seu corpo e sexualidade, cai por terra.
Todas essas mudanças causam desconforto, pois nos tiram da zona segura …

Eu Queria Ser Um Monstro

Há um ano, uma amiga me oferecia batom e eu não aceitava. Eu disse “não, obrigado”. Não era um simples “não” de quando te oferecem vodca, sendo que você não bebe, ou quando você “dá um fora” em alguém nada interessante na balada. Foi um “não” seguido de um “por quê não?” que ecoava mentalmente pelos dias seguintes.
Logo quando tive que morar sozinho, houve mudanças. Não só mudanças físicas, como também psicológicas. Passei a comer praticamente de tudo. A ouvir outros estilos musicais. Experimentar, beijar, chupar, tocar, engolir, gritar, soprar, raspar, esfregar, vomitar, perder o fôlego, cair, levantar, apoiar, cantar, gravar, filmar, pausar e silenciar.
(Fotografia: Lisandra Mendes - "A Beleza da Diversidade", 2017)
Ao poucos, fui me permitindo mudar, usar batom, pintar as unhas e a comprar roupas consideradas femininas. Eu faço isso porque eu acredito que as coisas não deveriam ser separadas dessa forma. Quero ter a liberdade de experimentar e descobrir quem eu sou. Eu ta…

Risqué

Desde que comecei a usar brincos, pintar minhas unhas, passar batom e me apropriar de tudo que é considerado feminino, algo estranho aconteceu. Eu acabei descobrindo minha masculinidade. Claro que quando falo de masculino e feminino, digo na forma padrão, como a sociedade constrói em nossas mentes. Um mulher de cabelos longos, maquiada, magra, de vestido ou saia, roupas rosa e feminina. Embora não seja este tipo de mensagem que quero passar, experimentar esta forma tornou-se importante para mim, contrapondo o padrão masculino em que fui construído.
("A beleza da diversidade" de Lisandra Mendes)
Desde pequeno, sou condicionado a não ser afeminado. Passei pelo bullying em família, na escola, faculdade, no grupo de amigos e, enfim, decidi “cagar” pra tudo isso. Não é algo fácil e nem tão simples. O que chamamos de “desconstrução” é um processo lento e delicado. Mas ele nos permite questionar coisas que nos foram impostas. Daí nasce a oportunidade de se apropriar do que antes e…