Pular para o conteúdo principal

Expediente

Agência cheia, todos nos seus lugares, menos ele. Na mesa uma foto de Berlim. Fez a cobertura durante uma semana de um festival de pipas. Nos primeiros 4 dias ficou em um hotel de luxo, oferecido pelo festival. Nos outros dias, ficou numa espelunca bancada pela agência. Nem conexão com a internet tinha. Todo dia era a mesma coisa, metrô lotado, trem lotado, ônibus lotado. Só comia fast-food. Às vezes, não comia. Sentia-se magro demais. Culpa do restaurante novo, comida barata e nada saudável. Sua mãe dizia que aquilo era comida de cadeia.


Uma ligação. Sua avó tinha morrido. Pro interior, em um ônibus mais confortável, sua cabeça parecia se desprender. Um flash. Quando descobriu sua sexualidade, ela tinha sido a primeira a saber. Deu apoio e não contou pra ninguém da família. Família de descendência alemã. Porém nada Frei (livre). O celular vibrou, uma mensagem "se cuida, amor". Reclinou o assento, olhou pro céu, tornou-se imenso.

Poucos de preto, nada de filme americano. O silêncio só era quebrado pelas risadas das crianças, como se não se dessem conta de que aquilo era um funeral. Talvez as crianças estivessem certas, se já sabemos que vamos morrer, por que sofremos tanto? Não aceitamos que tudo tem um fim. Impossível de não pensar na letra da música "todo carnaval tem seu fim". Pensou em publicar, mas achou demasiadamente cafona. Caixão coberto por terra, aos poucos o cemitério foi se esvaziando, e quem chorava, agora, já secava suas lágrimas. Voltavam pra sua vida normal. O teatro acabou.

No outro dia, acordou cedo, não tinha estômago pra café. Pegou o celular, digitou "foda-se", escolheu seu chefe como contato. Parou. Fez um gesto de chacoalhar com o celular, a mensagem se desfez. Abotoou a camisa e saiu. No ponto de ônibus, uma senhora vendia café. Ela queria puxar assunto, mas ele não deu muita ideia. Só pegou seu troco e agradeceu. Ônibus lotado. Trem lotado. Metrô lotado. 8 horas de trabalho. Mas no final do dia, foi para um feirinha noturna. Vegetais cozinhando. Um jazz baixinho. Pegou o celular e respondeu "te amo".

Postagens mais visitadas deste blog

Piquenique das Cores e o Medo do Novo

Recentemente, fui pego de surpresa pela repercussão de uma simples atividade, um piquenique. Não sei ao certo o que as pessoas que criticaram pensaram sobre a atividade, mas houve uma grande resistência, o que provocou manifestações de ódio e apoio. O tema do piquenique é a luta contra LGBTfobia e pela visibilidade LGBT, uma pauta da juventude e dever do Poder Público, e que compõe a II Quinzena Estadual de Combate à LGBTfobia.


Antes mesmo de nascer, o médico já define nosso sexo,  segundo nossa genitália, recebemos um nome e, desde então, somos moldados conforme os costumes da nossa família e sociedade. Poderíamos viver tranquilamente o resto da vida, acreditando ser o que nos ensinaram a ser. Entretanto, algumas pessoas fogem do condicionamento e passam a duvidar de sua identidade, de sua construção social, e o conceito de "certo" e "errado", sobre seu corpo e sexualidade, cai por terra.
Todas essas mudanças causam desconforto, pois nos tiram da zona segura …

Eu Queria Ser Um Monstro

Há um ano, uma amiga me oferecia batom e eu não aceitava. Eu disse “não, obrigado”. Não era um simples “não” de quando te oferecem vodca, sendo que você não bebe, ou quando você “dá um fora” em alguém nada interessante na balada. Foi um “não” seguido de um “por quê não?” que ecoava mentalmente pelos dias seguintes.
Logo quando tive que morar sozinho, houve mudanças. Não só mudanças físicas, como também psicológicas. Passei a comer praticamente de tudo. A ouvir outros estilos musicais. Experimentar, beijar, chupar, tocar, engolir, gritar, soprar, raspar, esfregar, vomitar, perder o fôlego, cair, levantar, apoiar, cantar, gravar, filmar, pausar e silenciar.
(Fotografia: Lisandra Mendes - "A Beleza da Diversidade", 2017)
Ao poucos, fui me permitindo mudar, usar batom, pintar as unhas e a comprar roupas consideradas femininas. Eu faço isso porque eu acredito que as coisas não deveriam ser separadas dessa forma. Quero ter a liberdade de experimentar e descobrir quem eu sou. Eu ta…

Aquela Sobre Aquela Do Verão

Todo ano, tenho que contar nos dedos quanto tempo faz que minha mãe morreu. Daqui há alguns dias já faz seis anos. Achei engraçado reler um texto em que relatava os acontecimentos do dia em que ela se foi. Não lembrava mais dos detalhes. Aos poucos, um borrão branco vai sendo criado no lugar das lembranças. Pensando bem, foi até uma boa ter escrito aquele texto.

De fato, muita coisa mudou. Não julgo ser ruim, é algo natural da vida. Tudo muda, as músicas, a política, a cultura, as tecnologias, e principalmente as pessoas mudam. O verão veio e foi diferente também. Comecei em uma nova casa, longe o suficiente para não pirar com as pessoas tentando me reconfortar, mas não tão longe a ponto de estar longe da família e amigos.
Acreditei que poderia passar o resto da vida comendo fast-food, mas logo percebi que não dava. Morando em uma espécie de república, aprendi a cozinhar com os outros moradores. Comecei com arroz, depois veio o feijão, que me dava um pouco de medo, por causa da panel…