Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2014

Feliz Segundo Novo!

Fazer aniversário, em qualquer língua, é algo bom! Poderíamos ficar tristes porque estamos ficando mais velhos ou perdendo anos de vida, mas a verdade é que, sem nenhuma razão aparente, nos sentimos felizes e especiais. Pode parecer algo comum, mas nem todos comemoram aniversário, seja por questão religiosas, culturais ou por simplesmente não saber o dia em que nasceram. Neste último caso, ainda há a possibilidade de inventar uma data, e festejar mesmo assim. Afinal, o que importa é comemorar... ou "bebemorar" para os mais íntimos das cachaçadas.
Eu gosto muito desta data, e realmente me sinto feliz. Receber uma ligação de um amigo cantarolando uma música de aniversário é simplesmente sensacional! E neste dia, a gente percebe quem é a pessoa mais importante deste mundo, quem vai estar sempre ao nosso lado, haja o que houver, em dias de sol ou de chuva: Nós mesmos. E por que não nos dar um pouco de alegria? Tudo bem se as coisas fogem do controle. às vezes. Tudo bem se erram…

Um Dia de Artista

(Foto: TV Globo/Programa do Jô
Um das coisas mais legais que eu já fiz na vida... foi ter ido ao Programa do Jô, com Glecy Coutinho como entrevistada, é claro! A ideia surgiu da própria Glecy, no final de 2012. Lembro-me que estávamos encerrando nossas atividades na Secretaria de Cultura, organizando prestação de contas, quando Glecy falou que gostaria de participar do Programa do Jô. Glecy é Glecy!
Uns quatro meses, depois de enviado o texto, eles me ligam. Eu estava na faculdade e fiquei sem reação, não acreditava que isso aconteceria tão rápido. Depois de vários emails trocados, enviaram as passagens pra gente, eu fui de acompanhante. Foi a primeira vez que andei de avião. Todo mundo olhou pra gente, quando nos aproximamos do cara com a plaquinha da Globo. Éramos artistas. Bom, Glecy já era fazia tempo.

Doação de Coisas InÚteis

1 Ventilador sem hélice
1 Aparelho de DVD funcionado na pancada
1 Luminária portátil funciona na pilha
1 Brigadeiro gigante
1 Fitinha vermelha
1 Transferidor velho
- Cartas de baralho sortidas
1 Pote de Cafeína Pura 420mg
1 Relógio Gucci
1 Bolsinha Yazigi fluorescente
1 Rádio Relógio 3D funcionando
1 Óculos bafônico sem perna (a inveja fez quebrar)
4 Estojos de óculos
1 Mouse funcionando mais ou menos

No Embalo da Cocaína

(Imagem: Arquivo Pessoal)
Eu sempre gostei de acordar tarde, mas, infelizmente, eu quase sempre estudei de manhã. No primeiro ano do ensino médio, eu pude estudar à tarde. Era uma manhã comum, eu dormia na parte de cima de uma beliche. Acordei ouvindo uma discussão. Era minha mãe dando uma bronca no meu irmão, perguntando o porquê dele ter feito aquilo. Meu irmão dizia que estava trazendo droga pra cidade, daí ele viu a polícia e jogou tudo num rio.

Sobre os Dias de Luta

(Fotografia: Giulia Bersani)
Digo-vos, a luta é o que está faltando na vida da maioria dos jovens de hoje. Se eles acham que eu vou apoiá-los enquanto eles criam grandes obras de arte, então, eles perderam o ponto do meu trabalho, da minha vida!

O Verão Mais Frio de Minha Vida

(Imagem: Arquivo Pessoal)
Daqui a alguns dias, faz três anos que minha mãe morreu. De lá pra cá minha vida mudou bastante, eu mudei bastante. Numa terça-feira, mais um dia normal, cheguei da faculdade cansado e com dor de cabeça. Já passava das 23h. Minha mãe já dormia. Geralmente, ela acordava e perguntava se queria que esquentasse a janta. Eu geralmente respondia que não. Naquela noite, como de costume, ela deixou um potinho com biscoitos numa mesinha em frente ao meu quarto, não dei confiança. Naquela noite, fiquei com medo de passar mal, então deixei a porta do quarto semiaberta. Na manhã seguinte, percebi que o pote de biscoitos estava ao lado da minha cama.

De longe

(Imagem: Tumblr)
Possuir alguém é uma grande ilusão, um dos nossos maiores erros, enganos. Seja num relacionamento amoroso ou numa amizade, não possuímos ninguém, tampouco podemos controlar seus sentimentos. "Você é meu" essa frase sempre me causou um incômodo, talvez pelo fato de soar como "você é minha propriedade" ou "eu sou seu dono". Isto me faz ter a sensação que eu sou apenas mais um objeto, na vida de alguém.

É difícil aceitar que não podemos controlar o sentimento do outro, garantir que gostará de nós na mesma proporção. Que não teremos a certeza de que o amanhã existirá, que estaremos juntos, felizes, completos. Não há certeza em nada, e eu tenho que me acostumar com isso. Tudo é um jogo de confiança... e quando ela é quebrada, o jogo dá uma pausa ou acaba.

O Feminismo é uma farsa?

(Beyoncé em Flawless)
"Frozen" é um filme da Disney que me surpreendeu, por fugir na mesmice dos contos de fadas. Diferente das mulheres presentes em Cinderela e Branca de Neve, clássicos em que as mulheres, apesar de estarem no papel principal da trama, tinham como ideal encontrar o belo príncipe encantado, dependiam deste para saírem de um problema ou serem felizes para sempre.
O filme mostra em diversas cenas que a figura masculina é dispensável. Desde a fuga de Elza, sozinha, que se sente feliz e livre por isso, até a figura de sua irmã, que nas cenas finais do filme, quando o seu parceiro romântico daria um soco no vilão, ela entra na frente, dispensa a ajuda masculina, e dá-lhe um soco!

Café Requentado

(Imagem: FreeImages)
Café requentado não dá certo. Aquela tentativa de fazer algo que foi bom - no começo - voltar a ter o doce sabor de sua frescurez, é um esforço em vão. Porque o café não é o mesmo, nunca volta a ser, por mais açúcar que você ponha. Acho que na vida, as coisas funcionam dessa forma também. Aquele relacionamento agradável que já tivemos um dia, não voltará a ter o doce aroma, se por algum motivo o deixarmos amargar, envelhecer, perder o sabor. Veja bem que não quero desprezar as coisas velhas, pois vêm de um tempo em que as coisas eram mais duráveis, e, se quebrassem, era só consertar em vez de jogar fora. Às vezes, eu aprecio um café amargo, mas bom mesmo é ter algo fresco e animador.

Vida Social x Tecnologia #2

Em branco

(Imagem: Tumblr)
Um belo espaço em branco
pronto para ser preenchido com ideias,
pensamentos,
mentiras, verdades
o essencial é colocar sentimentos
não importa seu tamanho
cabem em qualquer espaço
um livro de cabeceira, estante,
mochila ou bolso
um ditongo aberto
afeto.

Computador #poesia

(Imagem: Shannon Chan Ziali / whamonster)
O computador não tem expressão. Ele não sabe caligrafia. Só corrige o meu erro de português. Não erra. Não quer errar. Não quer saber de conversa, só me responde na lata “Há 500 metros da Lapa”
O celular esperto me mostra fotos, Não quero Face, quero face! O computador não sabe secar a tinta de uma caneta, apontar um lápis. Ele não tem garrancho, será que o computador fez aula de caligrafia?

Filme Her | Vida Social x Tecnologia

(Imagem: Cinematic Fantastic)
Recentemente, eu assisti ao filme Her¹, que poderia significar em português brasileiro “Ela” ou “sua, dela”, em Portugal foi adaptado para “Uma história de amor” – nem um pouco brega, né?! O filme conta a história de um homem que se apaixona e vive um relacionamento com um sistema operacional e, a partir disso, fiz um paralelo com nossa vida social x tecnologia, em especial o celular esperto – smartphone.
No filme, orçado em cerca de 45 milhões de dólares, o protagonista, em processo de divórcio, conhece um sistema operacional revolucionário, o “OS One”. Esse sistema é capaz de interagir com o seu usuário de uma maneira única, uma espécie de Siri da Apple, em uma versão muito mais humanizada.

Crônica: O fruto do conhecimento

No começo era apenas uma árvore. Ninguém sabia dizer de onde tinha vindo, talvez de algum passarinho com alguma semente em seu bico. Era uma árvore especial, mas as pessoas daquele povoado só descobririam isso, pois um garotinho muito curioso acabava de nascer.
Iluminado pela estrela Alfa, ele nascera à noite, era um menino, 2.5 kg, pequeno e chorão! Seu nome, Miguel, sua mãe escolheu porque era dia de São Miguel, 29 de setembro. Miguelito, como seus amigos o chamavam, gostava de correr pelo campo, no fim de tarde, procurava novos bichos e plantas. Sonhava em ser biólogo e viver com os animais.

Crônica: A coisa

A coisa gostava de perambular pela mata, floresta adentro, sempre à noite. A coisa nunca parava. Todas as noites a mesma coisa, procurava sua vítima fatal. Durante anos, a coisa ficou infiltrada nos matagais, bem longe da cidade. Até que um dia a coisa não encontrou mais vítimas. A coisa rastejando pela noite, suportando cada vez mais os primeiros raios solares, começou a se aproximar de nós... mortais. E depois de alguns meses a coisa já perambulava à margem do seu novo lar.
A coisa, meio pegajosa, bem viscosa, aderia-se as paredes de concreto, já durante o dia avistava os seus primeiros alvos. A coisa gostava de superfícies cerâmicas. O vidro era sua predileta. Ali ela ficava até que o primeiro alvo aparecesse. Assim que ele lhe direcionava os olhos, a coisa o pegava. Era fatal! Não tinha como resistir. A coisa era uma tentação insuportável. Ela te hipnotizava até você se entregar a ela. Aí, então a coisa te pegava! E te destruía, até não sobrar mais nenhum vestígio seu.

Sobre as Cotas #1

Tô lendo um livro¹ bem interessante sobre a questão das cotas nas universidades. Ele é composto por onze artigos de pesquisadores que analisaram o processo de adoção de cotas (para negros e índios). Gostaria de ressaltar o primeiro ponto que me chamou a atenção, é um trecho do texto que faz parte de uma tese de doutorado, defendido por de Maria José de Jesus Alves Cordeiro, Doutora em Educação-Currículo pela PUC/SP. O texto é intitulado: Cotas para negros e indígenas na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul: processo histórico e político. Segue o trecho:
No Brasil, os negros nunca foram percebidos como iguais, pois as desigualdades socieconômicas mantêm-nos presos no mais baixo patamar da escala social. Essa inércia os leva a atitude de conformismo nem sempre conscientes e à violação das regras sociais (violência), fomentando preconceitos e estigmas. Para D'Adesky, é partindo dessa inferiorização que: 

"pratica-se toda sorte de descriminações, pelas quais se reduzem de mo…

Conjuntura

A guerra interior começou A paz foi declarada inimiga das nações Não compensa, não enriquece -Esquece, doutor! A policia aparece, abre a porta-malas, joga a dona senhora. -Ih! Caiu! Foi mal!
Na testa, o atestado de otário. Aqui é o país do futebol, A Terra... dos mercenários O povo trabalha. Os carros vendem. Do carrinho de bebê ao do supermercado, A fila é preferencial? Só até 10 itens.

A tua alma #poesia

Não sei explicar como, mas eu sinto que tenho poderes psíquicos, e com eles, vêm as responsabilidades. Tenho que usar meus poderes para o bem e não para o mal - pausa para risos - Bom, certa manhã sonhei com uma poesia, haviam tambores tocando como na música Dois Olhos Negros do Lenine. Acordei e já fui escrevendo o que havia escutado, haviam alguns felinos correndo e um fundo escuro. O resultado taí:
A tua alma

Que te faz alegre nos momentos tristes Que te dá à certeza de que você existe Que te dá força quando cansado Que perdoa e é perdoado
Que te ensina a gozar a vida Que te faz encontrar uma saída Que no fundo do coração se sente Que te incita a ser diferente
Que não com consegue ser indiferente
Vendo o sofrimento de toda essa gente
Que no dinheiro busca felicidade
Que não pode comprar humildade

Que persegue o que é teu
Que não consegue ser ateu
Que aprendeu a ter paciência
Levando a vida, resiliência.

Sobre os dias frios

Tenho me sentido bem, apesar das constantes lutas, elas têm me mantido atento e me fortalecido. Os dias frios são ótimos para reflexões, vou encarar o ócio como uma oportunidade do destino para praticar o hábito da leitura e escrita.
Um momento de descanso e paz para quem foi condicionado a "ser útil". Também tenho aprendido sobre o tempo, economia, desapego, fé, confiança, criatividade e, novamente, a fé.

Reconhecimento

Meu rosto não carrega aquela mesma expressão Não tenho certeza se o fio é de cabelo  ou de barba Meu olho escuro não revela o meu interior Parece mentir a todo momento
Como ter certeza do que os lábios dizem?
Eles falam bastante, mas, de frente ao espelho, eles se calam O reflexo é a carne O real não é o percebido
Escondido Só é revelado no momento de embriaguez Embriagado de faláceas inverdades Revelo-me a mim Enfrento-me.

Voltei

Após um tempo sem fazer publicações, voltei. 
Durante este tempo continuei com publicações na página "Flor de Macieira" no Facebook. Mas eu senti vontade de voltar, e voltei a fazer publicações neste blog. Espero que não mude mais de nome, mas se for preciso mudarei.
Já não tenho mais receio de colocar meu nome nas publicações, acho que estou encontrando meu caminho, minha poética. Acredito que daqui pra frente serei mais verdadeiro comigo mesmo.
Abraços!

Higor.

Devolva-me

Reflexão #5 (Carona)

(Imagem: SXC)
Pegar carona é praticar o ato do desapego. Você entra num carro, conversa com a pessoa, diz pra onde vai, talvez até conte sobre seus planos, certamente falará sobre sua vida, seus problemas - um drama... quem sabe? – e depois... Bom, depois nunca mais verá aquela pessoa novamente. Ela não te passará seu telefone, nem o e-mail pessoal. Você também não pedirá pra adicionar em nenhuma rede social. Melhor que tudo acabe ali. Você não vai querer prolongar este sofrimento, vai?

Fotografia #2 - Ren Hang (Parte 1)

(Imagem: Ren Hang/Photography 2011)
"A China ainda não aceita nada sobre sexo e nudez. Eu não tenho a intenção de expressar nada ou de fazer uma mudança, apesar de questionadoras, não há absolutamente nenhum significado mais profundo em minhas fotos, ou pelo menos não há nada realmente sério nelas. Eu adoro os órgãos genitais e nunca vou assumir "maus pensamentos" enquanto fotografá-los. Eu só quero mostrar um lado diferente ... e eu sou apenas realmente apaixonado pelos genitais do meu namorado". 

Ren Hang

Reflexão #4

(Imagem: Performance ricci/forte)
A busca por uma resposta, antes mesmo de ter uma pergunta, sempre me tirou o sono. Bom, na verdade, nunca me tirou o sono, porque nada nessa vida consegue me tirar o sono. Eu sou um daqueles abençoados – ou não – que consegue dormir até mesmo dormindo. A verdade – a minha verdade – é que as pessoas querem SIM uma resposta pra tudo.

Ora! Se, por acaso, eu disser algo aleatório como “pássaros vermelhos queimam chinelos num oceano rosa”, ninguém vai entender nada e logo me perguntarão “Você tá louco” ou “Que isso, cara?”. Eles querem uma resposta.  Eles não entendem. E eu não sou diferente. Eu também não entendo.

Des(Motivacional) #3

(Imagem: SXC)
...E que fique muito mal explicado. 
Não faço força para ser entendido
Quem faz sentido é soldado...
Mário Quintana

Reflexão #3

(Imagem: SXC)
Coração batido

O motor do carro estava batido, mas não era só ele que precisava de um conserto... coração também bate - no sentido do motor - e, às vezes, precisa de uma revisão, uma limpeza, alguém que cuide e dê carinho.

Percepções #1

(Imagem: SXC)
Subindo a ladeira Sentado no banco,  eu paro, - parado - vejo: bandeirolas  dançando ao sabor do vento.

Reflexão #2

Existe um mundo dentro de mim, um mundo de silêncio. Às vezes, este mundo de silêncio vem sobre mim, inundando-me de calado, uma concentração inexplicável. Sinto uma onda de indiferença. Observo. Absorvo. Abstraio. Penso. Respiro. Sorrio para descontrair porque a vida não é só seriedade.

Reflexão #1

(Imagem: SXC)

Fico em SILÊNCIO.

Amigos #1

(Imagem: Arquivo pessoal)
Hoje, recebi uma ligação.
Não foi um SMS, nem um e-mail.

Não era pra pedir, nem pra cobrar.

Não havia assunto.

Aliás... havia.

Artes Visuais #1

(Imagem: Illustragram/Reprodução)
Um jovem de Uberlândia - MG, chamado Bruno Henrique (xará do meu irmão), formado em Administração começou, sem nenhuma pretensão, a criar desenhos com lápis, caneta e papel. Até tudo bem, afinal é algo normal, porém o diferencial de Bruno é que ele utiliza elementos incomuns para dar um charme aos desenhos, como moedas, chocolate, celular, clipes e até uma pimenta, fazendo uma mistura de desenho com objetos reais! 

Fotografia #1

(Imagem: Elena Kalis, Alice in Waterland)
Uma fotógrafa russa chamada Elena Kalis fotografou sua filha de 12 anos em um ensaio intituladoAlice in Waterland. Pelo título já pra perceber que o ensaio faz referência à obra de ficção Alice no País das Maravilhas, de Charles Lutwidge Dodgson, publicada a 4 de julho de 1865 sob o pseudônimo de Lewis Carroll. Elena costuma tirar fotos embaixo d'água, ela o chama de Underwater Photography. Ela também  possui trabalhos no Werkdruck, que reúne trabalhos promissores.

Motivacional #2 - "O mundo nos dá lixo, nós retribuímos com música!"

(Imagem: Orquestra de Instrumentos Reciclados de Cateura)

Em Assunção, Paraguai, uma orquestra dá uma lição de perseverança. Enquanto muitos de nós abandonamos um sonho por vários motivos, entre eles o financeiro, essa turma vai na contramão do sistema. Sem ter condições financeiras para bancar instrumentos para montar um orquestra com os jovens, moradores dos arredores de um aterro sanitário, um professor, Flávio Chavez, um músico, Luis Szaran, e um artesão, Nicolas Gomez, conseguem montar uma orquestra com instrumentos reciclados.

5 Dicas Cinema #1

(Imagem: Site Porta Curtas)
Com esta vida corrida, quase não dá tempo de assistir filmes de longas-metragens. Bom, mas isso não é motivo para ficar de fora das produções cinemaográficas, não é mesmo?! Depois de trabalhar com o Cine Mais Cultura (falarei sobre isso mais a frente), a melhor opção para se entreter é assistir um curta-metragem, aqueles filmezinhos rápidos, alguns não duram 2 minutos, porém sua mensagem pode ser bem duradoura. Neste quesito o Brasil dá um show, são muitas produções e para tudo quanto é gosto!

Motivacional #1 - "Você é abençoado"

Créditos: fb.com/metanoian

Velha Infância #1

Sabe quando você é criança e tem um melhor amiguinho? Vocês crescem e tomam rumos diferentes, aí ficam um bom tempo sem se falar. É tão estranho cruzar com a pessoa na rua e nem ao menos se cumprimentarem, quando acontece é apenas um "e aê?".