Pular para o conteúdo principal

Crônica: A coisa

A coisa gostava de perambular pela mata, floresta adentro, sempre à noite. A coisa nunca parava. Todas as noites a mesma coisa, procurava sua vítima fatal. Durante anos, a coisa ficou infiltrada nos matagais, bem longe da cidade. Até que um dia a coisa não encontrou mais vítimas. A coisa rastejando pela noite, suportando cada vez mais os primeiros raios solares, começou a se aproximar de nós... mortais. E depois de alguns meses a coisa já perambulava à margem do seu novo lar.

A coisa, meio pegajosa, bem viscosa, aderia-se as paredes de concreto, já durante o dia avistava os seus primeiros alvos. A coisa gostava de superfícies cerâmicas. O vidro era sua predileta. Ali ela ficava até que o primeiro alvo aparecesse. Assim que ele lhe direcionava os olhos, a coisa o pegava. Era fatal! Não tinha como resistir. A coisa era uma tentação insuportável. Ela te hipnotizava até você se entregar a ela. Aí, então a coisa te pegava! E te destruía, até não sobrar mais nenhum vestígio seu.

Naquele dia cinzento, não havia nada que lhe atribuísse um adjetivo em especial, além de cinzento. Sua vítima, de nome impresso em um cartão magnético qualquer, estava a se aproximar. A coisa sagaz, como sempre, avistou de longe sua presa. Era fácil demais. A vítima já tinha passado horas e mais horas sendo hipnotizada. Desde cedo. Bem cedo. A coisa, agora, travestida de vermelho vibrante, laço de fita, brilhante como diamantes, flutuando sobre um corpo desalmado.

Atacou sua vítima sem nenhuma chance de defesa. O cadáver continuava ali, em frente a uma loja, uma vitrina grande o bastante para a vendedora perceber e ir correndo atrás dele. A vendedora fez todo o procedimento, mas nada havia o que se fazer. Estava perdido. Finalizando todo o processo, as transações, assinada a certidão de óbito e acertado os detalhes finais, foi liberado para o enterro.

A coisa estava satisfeita, sua primeira vítima em tão pouco tempo, mas ainda não estava saciada, queria mais. Tinha cede e fome. Logo, ali perto, havia outra vítima fatal. A coisa desembestou a se camuflar de novo. Mais uma vítima, ainda não era suficiente. A coisa sempre saía impune e ainda vaga por aí. Sempre a procura de mais vítimas. A coisa consegue estar em qualquer lugar e é sobrevive ao tempo. Não se sabe ao certo seu tempo de vida ou morte. Só se sabe que ela sempre muda, cada hora é uma coisa e é por isso que chamam ela assim. Ela pode estar bem perto de você. 

Fuja!

Postagens mais visitadas deste blog

Viver ou Morrer? Tanto Faz!

Não sei se todo mundo faz isso, mas eu me questiono quase que diariamente que motivos eu tenho pra continuar vivendo. Depois de ver 13 Reasons Why, essa prática se mostrou ainda mais importante, pois põe em discussão a questão do suicídio. Praticamente não ouvimos falar sobre este assunto, não se mostram reportagens e nem as pessoas que o comentem na TV, jornal ou internet. Mas o que eu gostaria de falar não é exatamente sobre suicídio. 
Em 2009, eu fazia curso técnico de manhã e terceiro ano à noite. Era uma sexta-feira, eu deveria estar estudando, mas naquele dia não houve aula, então fiquei feliz por poder dormir até tarde. Mas eu acordei cedo, era a polícia. Arma apontada pra minha cabeça. Eu não sabia direito que tava acontecendo, porque eu demoro algum tempo pra “acordar” de fato. Mas a polícia já tava dentro de casa.
Eu sentei no sofá enquanto eles vasculhavam minha casa, minhas coisas. Gavetas, roupeiro, cama, armários, geladeira, enfim, tudo. Eu não sabia o que eles queriam …

Um Dia de Artista

(Foto: TV Globo/Programa do Jô
Um das coisas mais legais que eu já fiz na vida... foi ter ido ao Programa do Jô, com Glecy Coutinho como entrevistada, é claro! A ideia surgiu da própria Glecy, no final de 2012. Lembro-me que estávamos encerrando nossas atividades na Secretaria de Cultura, organizando prestação de contas, quando Glecy falou que gostaria de participar do Programa do Jô. Glecy é Glecy!
Uns quatro meses, depois de enviado o texto, eles me ligam. Eu estava na faculdade e fiquei sem reação, não acreditava que isso aconteceria tão rápido. Depois de vários emails trocados, enviaram as passagens pra gente, eu fui de acompanhante. Foi a primeira vez que andei de avião. Todo mundo olhou pra gente, quando nos aproximamos do cara com a plaquinha da Globo. Éramos artistas. Bom, Glecy já era fazia tempo.

Depois das 18h

Aquele momento de autopiedade quando você precisa de um carinho, um abraço. Se desse pra voltar no tempo, voltar a ser criança. Quando, numa queda, você começava a chorar e corria gritando “mamãe!”. Então, ela te abraçaria, passaria um remédio laranja que ardia, e ficaria tudo bem. Em meia hora, já estaria correndo novamente. Mas a vida adulta não é assim. As pessoas te machucam e você não tem pra onde correr.

Você tem que sair muito cedo para o trabalho e chega em casa muito tarde. Por mais cansativo que tenha sido seu dia, ninguém vai te perguntar como ele foi. Você abre a porta, coloca comida pro seu gato, tira a roupa, toma um banho. Talvez tenha energia pra cozinhar ou talvez só coma um sanduíche. Ligar o computador, ler e-mails, responder mensagens. Tudo online e à distância.
Percebe que uma ou duas plantas morreram. Será que foi falta de água? Ou será que foi água demais? Talvez faltou adubo. Ou talvez faltou podá-la. Isso mesmo. Pra crescer mais, ficar mais forte ou dar mais …