Pular para o conteúdo principal

Crônica: A coisa

A coisa gostava de perambular pela mata, floresta adentro, sempre à noite. A coisa nunca parava. Todas as noites a mesma coisa, procurava sua vítima fatal. Durante anos, a coisa ficou infiltrada nos matagais, bem longe da cidade. Até que um dia a coisa não encontrou mais vítimas. A coisa rastejando pela noite, suportando cada vez mais os primeiros raios solares, começou a se aproximar de nós... mortais. E depois de alguns meses a coisa já perambulava à margem do seu novo lar.

A coisa, meio pegajosa, bem viscosa, aderia-se as paredes de concreto, já durante o dia avistava os seus primeiros alvos. A coisa gostava de superfícies cerâmicas. O vidro era sua predileta. Ali ela ficava até que o primeiro alvo aparecesse. Assim que ele lhe direcionava os olhos, a coisa o pegava. Era fatal! Não tinha como resistir. A coisa era uma tentação insuportável. Ela te hipnotizava até você se entregar a ela. Aí, então a coisa te pegava! E te destruía, até não sobrar mais nenhum vestígio seu.

Naquele dia cinzento, não havia nada que lhe atribuísse um adjetivo em especial, além de cinzento. Sua vítima, de nome impresso em um cartão magnético qualquer, estava a se aproximar. A coisa sagaz, como sempre, avistou de longe sua presa. Era fácil demais. A vítima já tinha passado horas e mais horas sendo hipnotizada. Desde cedo. Bem cedo. A coisa, agora, travestida de vermelho vibrante, laço de fita, brilhante como diamantes, flutuando sobre um corpo desalmado.

Atacou sua vítima sem nenhuma chance de defesa. O cadáver continuava ali, em frente a uma loja, uma vitrina grande o bastante para a vendedora perceber e ir correndo atrás dele. A vendedora fez todo o procedimento, mas nada havia o que se fazer. Estava perdido. Finalizando todo o processo, as transações, assinada a certidão de óbito e acertado os detalhes finais, foi liberado para o enterro.

A coisa estava satisfeita, sua primeira vítima em tão pouco tempo, mas ainda não estava saciada, queria mais. Tinha cede e fome. Logo, ali perto, havia outra vítima fatal. A coisa desembestou a se camuflar de novo. Mais uma vítima, ainda não era suficiente. A coisa sempre saía impune e ainda vaga por aí. Sempre a procura de mais vítimas. A coisa consegue estar em qualquer lugar e é sobrevive ao tempo. Não se sabe ao certo seu tempo de vida ou morte. Só se sabe que ela sempre muda, cada hora é uma coisa e é por isso que chamam ela assim. Ela pode estar bem perto de você. 

Fuja!

Postagens mais visitadas deste blog

Aquela Sobre Aquela Do Verão

Todo ano, tenho que contar nos dedos quanto tempo faz que minha mãe morreu. Daqui há alguns dias já faz seis anos. Achei engraçado reler um texto em que relatava os acontecimentos do dia em que ela se foi. Não lembrava mais dos detalhes. Aos poucos, um borrão branco vai sendo criado no lugar das lembranças. Pensando bem, foi até uma boa ter escrito aquele texto.

De fato, muita coisa mudou. Não julgo ser ruim, é algo natural da vida. Tudo muda, as músicas, a política, a cultura, as tecnologias, e principalmente as pessoas mudam. O verão veio e foi diferente também. Comecei em uma nova casa, longe o suficiente para não pirar com as pessoas tentando me reconfortar, mas não tão longe a ponto de estar longe da família e amigos.
Acreditei que poderia passar o resto da vida comendo fast-food, mas logo percebi que não dava. Morando em uma espécie de república, aprendi a cozinhar com os outros moradores. Comecei com arroz, depois veio o feijão, que me dava um pouco de medo, por causa da panel…

Risqué

Desde que comecei a usar brincos, pintar minhas unhas, passar batom e me apropriar de tudo que é considerado feminino, algo estranho aconteceu. Eu acabei descobrindo minha masculinidade. Claro que quando falo de masculino e feminino, digo na forma padrão, como a sociedade constrói em nossas mentes. Um mulher de cabelos longos, maquiada, magra, de vestido ou saia, roupas rosa e feminina. Embora não seja este tipo de mensagem que quero passar, experimentar esta forma tornou-se importante para mim, contrapondo o padrão masculino em que fui construído.
("A beleza da diversidade" de Lisandra Mendes)
Desde pequeno, sou condicionado a não ser afeminado. Passei pelo bullying em família, na escola, faculdade, no grupo de amigos e, enfim, decidi “cagar” pra tudo isso. Não é algo fácil e nem tão simples. O que chamamos de “desconstrução” é um processo lento e delicado. Mas ele nos permite questionar coisas que nos foram impostas. Daí nasce a oportunidade de se apropriar do que antes e…

No Embalo da Cocaína

(Imagem: Arquivo Pessoal)
Eu sempre gostei de acordar tarde, mas, infelizmente, eu quase sempre estudei de manhã. No primeiro ano do ensino médio, eu pude estudar à tarde. Era uma manhã comum, eu dormia na parte de cima de uma beliche. Acordei ouvindo uma discussão. Era minha mãe dando uma bronca no meu irmão, perguntando o porquê dele ter feito aquilo. Meu irmão dizia que estava trazendo droga pra cidade, daí ele viu a polícia e jogou tudo num rio.