Pular para o conteúdo principal

Filme Her | Vida Social x Tecnologia


Recentemente, eu assisti ao filme Her¹, que poderia significar em português brasileiro “Ela” ou “sua, dela”, em Portugal foi adaptado para “Uma história de amor” – nem um pouco brega, né?! O filme conta a história de um homem que se apaixona e vive um relacionamento com um sistema operacional e, a partir disso, fiz um paralelo com nossa vida social x tecnologia, em especial o celular esperto – smartphone.

No filme, orçado em cerca de 45 milhões de dólares, o protagonista, em processo de divórcio, conhece um sistema operacional revolucionário, o “OS One”. Esse sistema é capaz de interagir com o seu usuário de uma maneira única, uma espécie de Siri da Apple, em uma versão muito mais humanizada.

Dirigido por Spike Jonze, durante a maior parte do filme, as câmeras são focadas em Theodore que se mantém em diálogo constante com Samantha, interpretada por Scarlett Johansson, que não chega a aparecer fisicamente, mas dá vida à Samantha através de sua voz.

(imagem: uol.com.br)

As cenas são lentas, silenciosas e solitárias. É o que realmente vejo acontecendo ao meu redor. Não digo só dos amigos, falo por mim mesmo, o celular fornece tanto entretenimento que ter uma companhia humana parece descartável. Não quero causar muito alarde, pois falavam o mesmo da TV, mas sobrevivemos a ela. A questão é quanto tempo dedicamos as “redes sociais” e quanto tempo dedicamos a socialização com os amigos - na vida real.

A internet que poderia ser libertadora, já que oferece a possibilidade de se aprender praticamente qualquer coisa, entretanto, nem sempre é utilizada para agregar valor. Acredito que ainda vai levar um tempinho até conseguirmos desfrutar dos benefícios das redes sociais, de tanta tecnologia e desse imediatismo das informações, sem comprometer nosso relacionamento com amigos, família e profissional.


[1] Her, 2013 - Gênero: Comédia Dramática / Direção: Spike Jonze / Roteiro: Spike Jonze
Elenco: Amy Adams, Artt Butler, Bill Hader, Brian Johnson, Chris Pratt, Dane White, David Azar, Dr. Guy Lewis, Evelyn Edwards, Gracie Prewitt, James Ozasky, Joaquin Phoenix, Kristen Wiig, Luka Jones, Matt Letscher, May Lindstrom, Melanie Seacat, Nicole Grother, Olivia Wilde, Pramod Kumar, Rooney Mara, Samantha Sarakanti, Scarlett Johansson, Steve Zissis
Produção: Megan Ellison, Spike Jonze, Vincent Landay
Oscar 2014: Melhor Canção Original (Karen O, The Moon Song, Spike Jonze, The Moon Song)


Postagens mais visitadas deste blog

Aquela Sobre Aquela Do Verão

Todo ano, tenho que contar nos dedos quanto tempo faz que minha mãe morreu. Daqui há alguns dias já faz seis anos. Achei engraçado reler um texto em que relatava os acontecimentos do dia em que ela se foi. Não lembrava mais dos detalhes. Aos poucos, um borrão branco vai sendo criado no lugar das lembranças. Pensando bem, foi até uma boa ter escrito aquele texto.

De fato, muita coisa mudou. Não julgo ser ruim, é algo natural da vida. Tudo muda, as músicas, a política, a cultura, as tecnologias, e principalmente as pessoas mudam. O verão veio e foi diferente também. Comecei em uma nova casa, longe o suficiente para não pirar com as pessoas tentando me reconfortar, mas não tão longe a ponto de estar longe da família e amigos.
Acreditei que poderia passar o resto da vida comendo fast-food, mas logo percebi que não dava. Morando em uma espécie de república, aprendi a cozinhar com os outros moradores. Comecei com arroz, depois veio o feijão, que me dava um pouco de medo, por causa da panel…

Risqué

Desde que comecei a usar brincos, pintar minhas unhas, passar batom e me apropriar de tudo que é considerado feminino, algo estranho aconteceu. Eu acabei descobrindo minha masculinidade. Claro que quando falo de masculino e feminino, digo na forma padrão, como a sociedade constrói em nossas mentes. Um mulher de cabelos longos, maquiada, magra, de vestido ou saia, roupas rosa e feminina. Embora não seja este tipo de mensagem que quero passar, experimentar esta forma tornou-se importante para mim, contrapondo o padrão masculino em que fui construído.
("A beleza da diversidade" de Lisandra Mendes)
Desde pequeno, sou condicionado a não ser afeminado. Passei pelo bullying em família, na escola, faculdade, no grupo de amigos e, enfim, decidi “cagar” pra tudo isso. Não é algo fácil e nem tão simples. O que chamamos de “desconstrução” é um processo lento e delicado. Mas ele nos permite questionar coisas que nos foram impostas. Daí nasce a oportunidade de se apropriar do que antes e…

No Embalo da Cocaína

(Imagem: Arquivo Pessoal)
Eu sempre gostei de acordar tarde, mas, infelizmente, eu quase sempre estudei de manhã. No primeiro ano do ensino médio, eu pude estudar à tarde. Era uma manhã comum, eu dormia na parte de cima de uma beliche. Acordei ouvindo uma discussão. Era minha mãe dando uma bronca no meu irmão, perguntando o porquê dele ter feito aquilo. Meu irmão dizia que estava trazendo droga pra cidade, daí ele viu a polícia e jogou tudo num rio.