Pular para o conteúdo principal

O Verão Mais Frio de Minha Vida

(Imagem: Arquivo Pessoal)

Daqui a alguns dias, faz três anos que minha mãe morreu. De lá pra cá minha vida mudou bastante, eu mudei bastante. Numa terça-feira, mais um dia normal, cheguei da faculdade cansado e com dor de cabeça. Já passava das 23h. Minha mãe já dormia. Geralmente, ela acordava e perguntava se queria que esquentasse a janta. Eu geralmente respondia que não. Naquela noite, como de costume, ela deixou um potinho com biscoitos numa mesinha em frente ao meu quarto, não dei confiança. Naquela noite, fiquei com medo de passar mal, então deixei a porta do quarto semiaberta. Na manhã seguinte, percebi que o pote de biscoitos estava ao lado da minha cama.

Acordei com meu celular tocando. Era meu primo dizendo que minha mãe tinha passado mal e que estava no hospital. Não dei muita importância, pois ela era cardíaca e hipertensa, então isso era normal. Uma segunda ligação e me pediram pra levar os medicamentos dela ao hospital para o médico analisar. Achei estranho, mas decidi levantar e ir. Quando estava saindo de casa, em frente ao portão, uma vizinha chega desesperado e me diz "Higor, você não sabe o que aconteceu?" e eu respondi "sim, já sei".

No hospital, havia muita gente pra ser atendida, então pensei "vou demorar horrores pra ser atendido", mas quando falei com a recepcionista, ela logo me mandou entrar. Achei muito estranho, mas até aí tudo bem. A enfermeira pediu que eu esperasse em uma sala até o médico chegar. Ok! Isto estava realmente estranho, em minha mente "será que minha mãe morreu" , "não pode ser, isso coisa de minha cabeça", "e se ela morreu?", enquanto mexia nas coisas da sala. Comecei a folhear um livro grosso de medicina. Em seguida, me levaram para outra sala, pronto! Eu fui mostrando os medicamentos que minha mãe tomava e perguntando se precisava de mais alguma coisa, o médico deu uma olhada rápida.

Em seguida, veio aquela coisa de filme "sua mãe chegou aqui em um estado grave, fizemos de tudo, mas ela não resistiu". Apoiei a cabeça entre os braços e comecei a chorar e - aquela coisa de filme - a perguntar pro acaso o porquê daquilo. Mas o choro só durou alguns segundos, de repente, meu desespero foi embora, e fiquei em silêncio por alguns segundos. Levantei-me, o médico perguntou "esta tudo bem?", eu ironicamente "tudo ótimo". Um amigo me ligou e eu falei que minha mãe tinha acabado de morrer, ele não acreditou e riu da minha cara. Ed nunca muda. 

Minha mãe teve um ataque cardíaco enquanto trabalhava, mais precisamente... fritando linguiça, ela usava uma roupa medonha, então fui em casa escolher algo melhor. Foram mais de 24h até o enterro, muitos abraços, consolos, choro, perguntas, ajuda, e - por que não? - risos. Corri atrás do carro de som, pra pedir que parasse de anunciar o velório, não era festa pra ser anunciado. Rasquei o livro de assinaturas. Achei que fosse pirar. Vi meus amigos, família, colegas de faculdade e professores me apoiando. Fiquei aliviado quando tudo acabou. Fim de semestre na faculdade. Então veio o verão.

Postagens mais visitadas deste blog

Viver ou Morrer? Tanto Faz!

Não sei se todo mundo faz isso, mas eu me questiono quase que diariamente que motivos eu tenho pra continuar vivendo. Depois de ver 13 Reasons Why, essa prática se mostrou ainda mais importante, pois põe em discussão a questão do suicídio. Praticamente não ouvimos falar sobre este assunto, não se mostram reportagens e nem as pessoas que o comentem na TV, jornal ou internet. Mas o que eu gostaria de falar não é exatamente sobre suicídio. 
Em 2009, eu fazia curso técnico de manhã e terceiro ano à noite. Era uma sexta-feira, eu deveria estar estudando, mas naquele dia não houve aula, então fiquei feliz por poder dormir até tarde. Mas eu acordei cedo, era a polícia. Arma apontada pra minha cabeça. Eu não sabia direito que tava acontecendo, porque eu demoro algum tempo pra “acordar” de fato. Mas a polícia já tava dentro de casa.
Eu sentei no sofá enquanto eles vasculhavam minha casa, minhas coisas. Gavetas, roupeiro, cama, armários, geladeira, enfim, tudo. Eu não sabia o que eles queriam …

Um Dia de Artista

(Foto: TV Globo/Programa do Jô
Um das coisas mais legais que eu já fiz na vida... foi ter ido ao Programa do Jô, com Glecy Coutinho como entrevistada, é claro! A ideia surgiu da própria Glecy, no final de 2012. Lembro-me que estávamos encerrando nossas atividades na Secretaria de Cultura, organizando prestação de contas, quando Glecy falou que gostaria de participar do Programa do Jô. Glecy é Glecy!
Uns quatro meses, depois de enviado o texto, eles me ligam. Eu estava na faculdade e fiquei sem reação, não acreditava que isso aconteceria tão rápido. Depois de vários emails trocados, enviaram as passagens pra gente, eu fui de acompanhante. Foi a primeira vez que andei de avião. Todo mundo olhou pra gente, quando nos aproximamos do cara com a plaquinha da Globo. Éramos artistas. Bom, Glecy já era fazia tempo.

Drogados, Pretos, Putas e Viados

Assim como muitas drogas são proibidas, no Brasil, precisamos lembrar que o álcool já foi proibido nos anos 20, nos EUA. O objetivo era acabar com a violência e a pobreza relacionada ao consumo excessivo de álcool. O resultado foi desastroso, criando uma verdadeira máfia do álcool, e, agora, damos o mesmo “murro em ponta de faca”.Fica claro que existe o interesse de uma minoria, que lucra milhões, com a produção e tráfico de drogas, em manter esta proibição, marginalizando seus usuários. Afinal, é muito mais fácil proibir o uso, condenar o usuário, do que resolver os problemas sociais que os levam a dependência.
Al Capone, gangster e traficante de bebidas alcoólicas durante a Lei Seca, nos anos 20, nos EUA, me contou que sempre foi contra a legalização e a favor da família.
Vivemos em uma sociedade hipócrita, em que as pessoas usam todo tipo de medicamento, consomem álcool até perder a consciência, fumam cigarros, charutos; só dormem com seu Rivotril, tomam calmantes que os deixam bem…