Pular para o conteúdo principal

A Confiança é uma Navalha!


Como quando a gente vai ao barbeiro, cortar cabelo ou fazer a barba, na vida passamos por vários testes de confiança. Digo isso porque outro dia, quando fui cortar o cabelo, percebi que já havia muito tempo que ia no mesmo barbeiro. Mesmo com uma idade avançada, e com alguns sinais de Alzheimer, ele ainda dominava a tesoura e a navalha. Percebi que a navalha afiada deslizava sobre minha pele, o suficiente para atingir uma artéria. Eu gosto das minhas artérias, principalmente das carótidas.

Toda vez que vou cortar o cabelo, ele poderia me matar. Não o cabelo, o barbeiro. Cada corte é uma oportunidade, mas ele nunca tentou nada. Eu até gosto dele. Do meu cabelo. Nem acho que tentaria, confio nele. No barbeiro. Quem me garante que ele, o barbeiro, num surto psicótico, num instante de tempo em que segura a navalha, não corte minha gargante, fazendo com que jorre sangue por toda parte? 

O sangue molharia minha camisa nova, meus sapatos, sua bancada, a toalha que envolve meu pescoço, os espelhos, escorreria pelo chão e terminaria na calçada. Muitos curiosos se aproximariam. Outros tirariam fotos, postariam em suas redes sociais, fingindo estar chocados ou indignado, mas, no fundo, estariam se deliciando com minha barbárie. Urubus. Abutres. Sou eu ali jogado. Odeio vocês! Não me respeitam nem depois de morto. Gente sem coração!

Mais frágeis do que cristal são as pessoas. Infelizmente ou felizmente, temos que confiar nelas, principalmente nos barbeiros. E em todos que tiverem uma navalha. Certamente, elas quebrarão esse frágil sentimento que é a confiança. As pessoas, não as navalhas. Alguns podem até recuperar, outros simplesmente não conseguirão reconquistá-la. A confiança. A vida é isso, ou a gente vive ou vegeta. Não o do Dragon Ball. Mesmo sabendo da possibilidade de ter uma artéria cortada, confiemos uns nos outros. E, assim, segue a vida.

Dica: Nunca use camisa nova para ir ao barbeiro. Evite contaminações, exija uma navalha nova.

Créditos
Fotografia: Protection, Emilene Miossi. São Paulo, junho de 2014.
Inspirado no texto de Marta Medeiros publicado na página Ampliando o Olhar.

Postagens mais visitadas deste blog

Aquela Sobre Aquela Do Verão

Todo ano, tenho que contar nos dedos quanto tempo faz que minha mãe morreu. Daqui há alguns dias já faz seis anos. Achei engraçado reler um texto em que relatava os acontecimentos do dia em que ela se foi. Não lembrava mais dos detalhes. Aos poucos, um borrão branco vai sendo criado no lugar das lembranças. Pensando bem, foi até uma boa ter escrito aquele texto.

De fato, muita coisa mudou. Não julgo ser ruim, é algo natural da vida. Tudo muda, as músicas, a política, a cultura, as tecnologias, e principalmente as pessoas mudam. O verão veio e foi diferente também. Comecei em uma nova casa, longe o suficiente para não pirar com as pessoas tentando me reconfortar, mas não tão longe a ponto de estar longe da família e amigos.
Acreditei que poderia passar o resto da vida comendo fast-food, mas logo percebi que não dava. Morando em uma espécie de república, aprendi a cozinhar com os outros moradores. Comecei com arroz, depois veio o feijão, que me dava um pouco de medo, por causa da panel…

Risqué

Desde que comecei a usar brincos, pintar minhas unhas, passar batom e me apropriar de tudo que é considerado feminino, algo estranho aconteceu. Eu acabei descobrindo minha masculinidade. Claro que quando falo de masculino e feminino, digo na forma padrão, como a sociedade constrói em nossas mentes. Um mulher de cabelos longos, maquiada, magra, de vestido ou saia, roupas rosa e feminina. Embora não seja este tipo de mensagem que quero passar, experimentar esta forma tornou-se importante para mim, contrapondo o padrão masculino em que fui construído.
("A beleza da diversidade" de Lisandra Mendes)
Desde pequeno, sou condicionado a não ser afeminado. Passei pelo bullying em família, na escola, faculdade, no grupo de amigos e, enfim, decidi “cagar” pra tudo isso. Não é algo fácil e nem tão simples. O que chamamos de “desconstrução” é um processo lento e delicado. Mas ele nos permite questionar coisas que nos foram impostas. Daí nasce a oportunidade de se apropriar do que antes e…

No Embalo da Cocaína

(Imagem: Arquivo Pessoal)
Eu sempre gostei de acordar tarde, mas, infelizmente, eu quase sempre estudei de manhã. No primeiro ano do ensino médio, eu pude estudar à tarde. Era uma manhã comum, eu dormia na parte de cima de uma beliche. Acordei ouvindo uma discussão. Era minha mãe dando uma bronca no meu irmão, perguntando o porquê dele ter feito aquilo. Meu irmão dizia que estava trazendo droga pra cidade, daí ele viu a polícia e jogou tudo num rio.