Pular para o conteúdo principal

Consciência Negra ou Humana?


Na semana da consciência negra, participantes da Marcha de Mulheres Negras Contra o Racismo são feridas após tiroteio de policial participante do movimento pró-impeachment. Mais uma tentativa -falha- de silenciar a mulher, mulher negra. Machismo. Racismo. Preconceito. Exclusão. Outra vez tentam silenciar nossas vozes com o discurso "não precisamos de (movimento social), precisamos de humanidade", mas como tratar com igualdade quem sempre foi excluído? 
(Foto: André Coelho/Agência O Globo)

20 DE NOVEMBRO
Esta data foi escolhida em homenagem a Zumbi dos Palmares, último líder dos Quilombos dos Palmares. Este foi refúgio de milhares de escravos, sendo Zumbi um símbolo de liberdade e resistência. 

(Zumbi e Dandara)

NEGRAS A SEREM LEMBRADAS
20 de novembro também é dia de lembrar de Dandara, companheira de Zumbi, que recusou receber uma liberdade controlada da Coroa Portuguesa. Chiquinha Gonzaga, primeira pianista de choro brasileira, compositora da primeira marcha carnavalesca e primeira mulher a reger uma orquestra brasileira. Elisa Lucinda, considerada uma das melhores poetisas brasileiras, atriz de TV, cinema e teatro, cantora e jornalista. Elza Soares, foi eleita a cantora do milênio pela BBC de Londres. Margareth Menezes, cantora, atriz e compositora, militante no movimento Afro. E não podemos esquecer das Marias, que não foram atrizes, nem cantoras, muito menos apareceram na TV ou cinema. São aquelas que não terão sua morte noticiadas, mas que lutam por uma vida mais digna. 

E O FERIADO? 
Em 2003, foi instituída esta data através da lei 12.519, de 10 de novembro de 2011. Alguns estados declararam feriado como Alagoas, Amazonas, Amapá, Mato Grosso e Rio de Janeiro, totalizando cerca de 10 mil municípios. 




E POR QUE NÃO CONSCIÊNCIA HUMANA? 
É importante falar sobre consciência humana, discutir sobre igualdade, amor, paz, no entanto, este discurso em vez de ajudar, acaba silenciando as vozes dos oprimidos. Consciência Negra é sobre nosso passado, presente e futuro. Não pode ser deixado de lado. Existem mais 364 dias para se falar sobre Consciência Humana.

20 de novembro fala de memória. 

20 de novembro é dia de falar sobre racismo. 

(Foto: Brasil 247)

É dia de falar sobre a (ainda) necessidade de cotas, desigualdades sociais, sobre o negro, pobre e oprimido. Aquele que quando morre não sai no jornal. Não vira notícia. Não é tragédia. Milhares de sem-vozes. 

Esta data foi escolhida como forma de reflexão, que deveria ser diária, sobre a participação do negro na sociedade. Foram 388 anos de escravidão e muita luta. Os reflexos da escravidão perduram até hoje. Os humanos nos escravizaram.

Fontes:

Postagens mais visitadas deste blog

Aquela Sobre Aquela Do Verão

Todo ano, tenho que contar nos dedos quanto tempo faz que minha mãe morreu. Daqui há alguns dias já faz seis anos. Achei engraçado reler um texto em que relatava os acontecimentos do dia em que ela se foi. Não lembrava mais dos detalhes. Aos poucos, um borrão branco vai sendo criado no lugar das lembranças. Pensando bem, foi até uma boa ter escrito aquele texto.

De fato, muita coisa mudou. Não julgo ser ruim, é algo natural da vida. Tudo muda, as músicas, a política, a cultura, as tecnologias, e principalmente as pessoas mudam. O verão veio e foi diferente também. Comecei em uma nova casa, longe o suficiente para não pirar com as pessoas tentando me reconfortar, mas não tão longe a ponto de estar longe da família e amigos.
Acreditei que poderia passar o resto da vida comendo fast-food, mas logo percebi que não dava. Morando em uma espécie de república, aprendi a cozinhar com os outros moradores. Comecei com arroz, depois veio o feijão, que me dava um pouco de medo, por causa da panel…

Risqué

Desde que comecei a usar brincos, pintar minhas unhas, passar batom e me apropriar de tudo que é considerado feminino, algo estranho aconteceu. Eu acabei descobrindo minha masculinidade. Claro que quando falo de masculino e feminino, digo na forma padrão, como a sociedade constrói em nossas mentes. Um mulher de cabelos longos, maquiada, magra, de vestido ou saia, roupas rosa e feminina. Embora não seja este tipo de mensagem que quero passar, experimentar esta forma tornou-se importante para mim, contrapondo o padrão masculino em que fui construído.
("A beleza da diversidade" de Lisandra Mendes)
Desde pequeno, sou condicionado a não ser afeminado. Passei pelo bullying em família, na escola, faculdade, no grupo de amigos e, enfim, decidi “cagar” pra tudo isso. Não é algo fácil e nem tão simples. O que chamamos de “desconstrução” é um processo lento e delicado. Mas ele nos permite questionar coisas que nos foram impostas. Daí nasce a oportunidade de se apropriar do que antes e…

No Embalo da Cocaína

(Imagem: Arquivo Pessoal)
Eu sempre gostei de acordar tarde, mas, infelizmente, eu quase sempre estudei de manhã. No primeiro ano do ensino médio, eu pude estudar à tarde. Era uma manhã comum, eu dormia na parte de cima de uma beliche. Acordei ouvindo uma discussão. Era minha mãe dando uma bronca no meu irmão, perguntando o porquê dele ter feito aquilo. Meu irmão dizia que estava trazendo droga pra cidade, daí ele viu a polícia e jogou tudo num rio.