Pular para o conteúdo principal

Gilmar, o barbeiro

Mudanças são sempre difíceis, talvez pelo fato da insegurança que isso gera. Saímos de nossa zona de conforto e mergulhamos num mar de incertezas. Era a última sexta-feira do mês, da última semana do ano, do último mês do ano, do último ano da minha vida. Não, não era o último ano da minha vida, mas, como todos os outros, mais uma mudança. E não era só no sentido figurado, mudei de cidade e de emprego. Diria que até de amores, mas isso eu não posso afirmar.

Confesso que não foi uma decisão muito fácil e indolor. Digo isso porque até hoje não consegui dar essa notícia para o meu barbeiro, o Gilmar. Fui na intenção de contar tudo, abrir o jogo, era meu último corte com ele, mas na hora H eu não consegui. Dei pra trás. Fui fraco, confesso. Era demais pra mim. Quando ele começou a contar que ia mudar de salão, para um lugar maior e melhor, nossa! Foi de partir o coração. Não tenho sangue pra isso!

Gilmar veio de uma cidade pequena da Bahia, Crisópolis, segundo ele cidade hospedeira. Outro dia ele me contou que hospedou um desconhecido e quando amanheceu o dia, o cara tinha feito a limpa na casa. Gilmar tem um bom coração. Ele tá longe de casa já tem 10 anos e nas férias mandou o filho pra Bahia, pra ficar com os parentes. Às vezes, eu fico pensando se eu sou igual Gilmar. Mas eu não consigo abandonar minha cidade. Tô sempre lá e cá. Sou fraco. Apaixonado por onde vivo. Passo raiva? Passo.

Preciso voltar no Gilmar de novo, o tempo passa rápido e preciso de outro corte. O salão da mulher dele fica ao lado, ele até me levou pra conhecer. Tem ar, cafézinho e doce pros clientes. O de Gilmar já é mais simples, e única coisa que chama atenção é um punhado de pen drive com músicas pra vender. Ele gosta muito de conversar, talvez ele pense que eu estou entediado quando me calo, mas eu confio tanto nele que me distraio e nem percebo a lâmina afiada bailando sobre minha carótida. Se eu me perco no silêncio, distraído com seu pote de lâminas descartadas, ele não para de acertar o corte. Só para se eu disser "agora está bom".

Gilmar é um cara trabalhador, por isso vou sempre nele. É sempre um novo causo. Como o dia em que ele tava me contado sobre o pastor da igreja ao lado. O pastor apareceu logo depois. Ou de quando foi atender um cliente que estava acamado no hospital. Até do dia que um carro explodiu na avenida lá perto e - segundo ele -  o salão estremeceu. Tenho narrado este dilema, de mudanças. Sinto que até me torno redundante. Repetitivo. Tentando me justificar a cada frase. Talvez seja a crise dos vinte e poucos. O fato é que “o novo sempre vem”, com diria Elis. E a gente vai se adaptando. Aí de quem não consegue! Eu só não consegui ainda contar pra Gilmar.


Postagens mais visitadas deste blog

Viver ou Morrer? Tanto Faz!

Não sei se todo mundo faz isso, mas eu me questiono quase que diariamente que motivos eu tenho pra continuar vivendo. Depois de ver 13 Reasons Why, essa prática se mostrou ainda mais importante, pois põe em discussão a questão do suicídio. Praticamente não ouvimos falar sobre este assunto, não se mostram reportagens e nem as pessoas que o comentem na TV, jornal ou internet. Mas o que eu gostaria de falar não é exatamente sobre suicídio. 
Em 2009, eu fazia curso técnico de manhã e terceiro ano à noite. Era uma sexta-feira, eu deveria estar estudando, mas naquele dia não houve aula, então fiquei feliz por poder dormir até tarde. Mas eu acordei cedo, era a polícia. Arma apontada pra minha cabeça. Eu não sabia direito que tava acontecendo, porque eu demoro algum tempo pra “acordar” de fato. Mas a polícia já tava dentro de casa.
Eu sentei no sofá enquanto eles vasculhavam minha casa, minhas coisas. Gavetas, roupeiro, cama, armários, geladeira, enfim, tudo. Eu não sabia o que eles queriam …

Um Dia de Artista

(Foto: TV Globo/Programa do Jô
Um das coisas mais legais que eu já fiz na vida... foi ter ido ao Programa do Jô, com Glecy Coutinho como entrevistada, é claro! A ideia surgiu da própria Glecy, no final de 2012. Lembro-me que estávamos encerrando nossas atividades na Secretaria de Cultura, organizando prestação de contas, quando Glecy falou que gostaria de participar do Programa do Jô. Glecy é Glecy!
Uns quatro meses, depois de enviado o texto, eles me ligam. Eu estava na faculdade e fiquei sem reação, não acreditava que isso aconteceria tão rápido. Depois de vários emails trocados, enviaram as passagens pra gente, eu fui de acompanhante. Foi a primeira vez que andei de avião. Todo mundo olhou pra gente, quando nos aproximamos do cara com a plaquinha da Globo. Éramos artistas. Bom, Glecy já era fazia tempo.

Depois das 18h

Aquele momento de autopiedade quando você precisa de um carinho, um abraço. Se desse pra voltar no tempo, voltar a ser criança. Quando, numa queda, você começava a chorar e corria gritando “mamãe!”. Então, ela te abraçaria, passaria um remédio laranja que ardia, e ficaria tudo bem. Em meia hora, já estaria correndo novamente. Mas a vida adulta não é assim. As pessoas te machucam e você não tem pra onde correr.

Você tem que sair muito cedo para o trabalho e chega em casa muito tarde. Por mais cansativo que tenha sido seu dia, ninguém vai te perguntar como ele foi. Você abre a porta, coloca comida pro seu gato, tira a roupa, toma um banho. Talvez tenha energia pra cozinhar ou talvez só coma um sanduíche. Ligar o computador, ler e-mails, responder mensagens. Tudo online e à distância.
Percebe que uma ou duas plantas morreram. Será que foi falta de água? Ou será que foi água demais? Talvez faltou adubo. Ou talvez faltou podá-la. Isso mesmo. Pra crescer mais, ficar mais forte ou dar mais …