Pular para o conteúdo principal

"Mamãe Pintou Meu Cabelo!"

Quando eu tava no terceiro ano do ensino médio, minha turma organizou uma visita ao Jequitibá Rosa, maior árvore nativa da mata atlântica brasileira. Acredita-se que o de Barra do Triunfo, em João Neiva, seja o maior do mundo. No dado passeio acabamos tirando muitas fotos. Até aquele momento eu costumava sair bem sério nas fotos, mas uma amiga conseguiu capturar um momento de muita alegria. Naquele dia, eu percebi que meu sorriso era bonito e passei a sorrir mais nas fotos. Havia descoberto que eu poderia ser bonito também.


Quando era criança, sempre via os cabelos lisos e até ondulados dos coleguinhas, e queria que o meu fosse igual. Minha mãe sempre fazia questão de cortar nossos cabelos com frequência. Quando eu chegava no barbeiro, ele sempre falava "seu cabelo tá curto ainda". Mas não tinha jeito, quando sua mãe manda fazer alguma coisa, é melhor obedecer. O curta Cores e Botas, de Juliana Vicente, expressa bem o que eu quero dizer. O que mais me dava raiva, era quando a gente passava na frente de uma casa que tinha macacos e mamãe dizia "olha lá seus priminhos". Até hoje eu mantenho um certo asco por macacos.


Eu me lembro que, na terceira série, a onda do momento era pintar (descolorir) os cabelos com água oxigenada e amônia. Você facilmente comprava estes dois produtinhos na farmácia e preparava uma misturinha. Um dia eu inventei de pedir ajuda ao meu irmão mais velho. Ele fez todo o trabalho. Senti um formigamento na cabeça. Esperei o tempo. Enxaguei. Fui até o banheiro olhar o resultado. Tranquei-me no quarto e chorei. Não chorei só porque tinha ficado ruim, mas porque já previa o bullying na escola.

Já fui pra escola chorando e pus a culpa toda na minha mãe. "Mamãe pintou meu cabelo!" eu dizia, entre um soluço e outro. Sempre tive muita vergonha da minha aparência, sobretudo do meu cabelo. Cabelo de pico. Não é cabelo bom. E agora, além de pico era loiro. Meus colegas ficaram com tanta pena de mim que nem se quer riram. Na verdade, riram sim, mas tentaram disfarçar. Ainda me motivaram a voltar pra aula, pois eu já estava dando meia volta. Até a professora me ajudou e falou que seus sobrinho sempre pintavam o cabelo, que todo mundo achava bonito. Aliás, ela é minha amiga até hoje.


Bom, posso dizer que hoje já não penso mais assim. Tenho uma autoestima até que elevada. Aos poucos a gente vai descobrindo que tudo que gente "acha" é fruto de um condicionamento. O mercado da beleza é poderosíssimo e para você se encaixar nele é preciso desembolsar muito dinheiro. Fica claro o motivo de se criar um padrão. Atender aos interesses de uma minoria. Só que esse condicionamento vem desde cedo e não é tão fácil assim mudar de opinião. Eu fico feliz, pois vejo cada vez mais amigas deixando a chapinha e o formol de lado e assumindo seus cachos. Claro que com tanta demanda para cachos, acabou-se fortalecendo outro padrão. Criou-se zilhões de produtos para se ter os "cachos perfeitos". É um caminho longo, mas acho que já demos o primeiro passo.


Postagens mais visitadas deste blog

Viver ou Morrer? Tanto Faz!

Não sei se todo mundo faz isso, mas eu me questiono quase que diariamente que motivos eu tenho pra continuar vivendo. Depois de ver 13 Reasons Why, essa prática se mostrou ainda mais importante, pois põe em discussão a questão do suicídio. Praticamente não ouvimos falar sobre este assunto, não se mostram reportagens e nem as pessoas que o comentem na TV, jornal ou internet. Mas o que eu gostaria de falar não é exatamente sobre suicídio. 
Em 2009, eu fazia curso técnico de manhã e terceiro ano à noite. Era uma sexta-feira, eu deveria estar estudando, mas naquele dia não houve aula, então fiquei feliz por poder dormir até tarde. Mas eu acordei cedo, era a polícia. Arma apontada pra minha cabeça. Eu não sabia direito que tava acontecendo, porque eu demoro algum tempo pra “acordar” de fato. Mas a polícia já tava dentro de casa.
Eu sentei no sofá enquanto eles vasculhavam minha casa, minhas coisas. Gavetas, roupeiro, cama, armários, geladeira, enfim, tudo. Eu não sabia o que eles queriam …

Um Dia de Artista

(Foto: TV Globo/Programa do Jô
Um das coisas mais legais que eu já fiz na vida... foi ter ido ao Programa do Jô, com Glecy Coutinho como entrevistada, é claro! A ideia surgiu da própria Glecy, no final de 2012. Lembro-me que estávamos encerrando nossas atividades na Secretaria de Cultura, organizando prestação de contas, quando Glecy falou que gostaria de participar do Programa do Jô. Glecy é Glecy!
Uns quatro meses, depois de enviado o texto, eles me ligam. Eu estava na faculdade e fiquei sem reação, não acreditava que isso aconteceria tão rápido. Depois de vários emails trocados, enviaram as passagens pra gente, eu fui de acompanhante. Foi a primeira vez que andei de avião. Todo mundo olhou pra gente, quando nos aproximamos do cara com a plaquinha da Globo. Éramos artistas. Bom, Glecy já era fazia tempo.

Drogados, Pretos, Putas e Viados

Assim como muitas drogas são proibidas, no Brasil, precisamos lembrar que o álcool já foi proibido nos anos 20, nos EUA. O objetivo era acabar com a violência e a pobreza relacionada ao consumo excessivo de álcool. O resultado foi desastroso, criando uma verdadeira máfia do álcool, e, agora, damos o mesmo “murro em ponta de faca”.Fica claro que existe o interesse de uma minoria, que lucra milhões, com a produção e tráfico de drogas, em manter esta proibição, marginalizando seus usuários. Afinal, é muito mais fácil proibir o uso, condenar o usuário, do que resolver os problemas sociais que os levam a dependência.
Al Capone, gangster e traficante de bebidas alcoólicas durante a Lei Seca, nos anos 20, nos EUA, me contou que sempre foi contra a legalização e a favor da família.
Vivemos em uma sociedade hipócrita, em que as pessoas usam todo tipo de medicamento, consomem álcool até perder a consciência, fumam cigarros, charutos; só dormem com seu Rivotril, tomam calmantes que os deixam bem…