Pular para o conteúdo principal

Vivendo e Aprendendo a Jogar

O motor do carro estava batido, mas não era só ele que precisava de um conserto... coração também bate - no sentido do motor - e, às vezes, precisa de uma revisão, uma limpeza, alguém que cuide e dê carinho. Coração não é dessas coisas que se quebrar, a gente joga fora e compra um novo. Coração é ventilador antigo, daqueles de ferro, que vale a pena consertar. Trocar uma peça e botar pra rodar novamente. 

"Eu não sei como agir!". Não sei se era sobre o motor ou sobre o ventilador. Ele apenas disse ao acaso. Talvez esperando alguém responder algo do tipo "eu te entendo" ou "ligue pro guincho". Corpos tão perto, mas tão distante. Ninguém respondeu, só o vento.


Eu ficava o tempo todo me perguntando se seria possível continuar aquela viagem. “Até aonde a gente consegue ir?”. Eu perguntei, mas ele insistia em não ter a reposta. Não sei se já contei, mas éramos três – não a novela – éramos três: eu, ele e o vento. Bom, se formos contar as pessoas... havia uma terceira pessoa, mas eu a desconsiderarei. Se nos cálculos eu posso desprezar o atrito, então desconsiderarei a terceira pessoa para evitar atritos.

A vida sempre tem dessas coisas, de uma terceira pessoa.

Saímos do carro e nos entregamos ao vento. Acenei para o primeiro carro e fui embora. Era melhor eu ir, antes que meu coração batesse como o motor. Sabe, eu me cobro bastante essa coisa de ter resposta pra tudo. As pessoas dizem que não preciso saber ou entender. Basta seguir. Mas o problema é que só isso não me convence. Não me satisfaz.

A busca por uma resposta, antes mesmo de ter uma pergunta, sempre me tirou o sono. Bom, na verdade, nunca me tirou o sono, porque nada nessa vida consegue me tirar o sono. Eu sou um daqueles abençoados – ou não – que consegue dormir até mesmo dormindo. A verdade – a minha verdade – é que as pessoas querem SIM uma resposta pra tudo.

Ora! Se, por acaso, eu disser algo aleatório como “pássaros vermelhos queimam chinelos num oceano rosa”, ninguém vai entender nada e logo me perguntarão “Você tá louco” ou “Que isso, cara?”. Eles querem uma resposta. Eles não entendem. E eu não sou diferente. Eu também não entendo.

Pegar carona é praticar o ato do desapego. Você entra num carro, conversa com a pessoa, diz pra onde vai, talvez até conte sobre seus planos, certamente falará sobre sua vida, seus problemas - um drama... quem sabe? – e depois... Bom, depois nunca mais verá aquela pessoa novamente. Ela não te passará seu telefone, nem o e-mail pessoal. Você também não pedirá pra adicionar em nenhuma rede social. Melhor que tudo acabe ali. Você não vai querer prolongar este sofrimento, vai?

Eu sofro porque me apego muito rápido às pessoas.

Porque ela continuará sua viagem. Temos que continuar.


Postagens mais visitadas deste blog

Aquela Sobre Aquela Do Verão

Todo ano, tenho que contar nos dedos quanto tempo faz que minha mãe morreu. Daqui há alguns dias já faz seis anos. Achei engraçado reler um texto em que relatava os acontecimentos do dia em que ela se foi. Não lembrava mais dos detalhes. Aos poucos, um borrão branco vai sendo criado no lugar das lembranças. Pensando bem, foi até uma boa ter escrito aquele texto.

De fato, muita coisa mudou. Não julgo ser ruim, é algo natural da vida. Tudo muda, as músicas, a política, a cultura, as tecnologias, e principalmente as pessoas mudam. O verão veio e foi diferente também. Comecei em uma nova casa, longe o suficiente para não pirar com as pessoas tentando me reconfortar, mas não tão longe a ponto de estar longe da família e amigos.
Acreditei que poderia passar o resto da vida comendo fast-food, mas logo percebi que não dava. Morando em uma espécie de república, aprendi a cozinhar com os outros moradores. Comecei com arroz, depois veio o feijão, que me dava um pouco de medo, por causa da panel…

No Embalo da Cocaína

(Imagem: Arquivo Pessoal)
Eu sempre gostei de acordar tarde, mas, infelizmente, eu quase sempre estudei de manhã. No primeiro ano do ensino médio, eu pude estudar à tarde. Era uma manhã comum, eu dormia na parte de cima de uma beliche. Acordei ouvindo uma discussão. Era minha mãe dando uma bronca no meu irmão, perguntando o porquê dele ter feito aquilo. Meu irmão dizia que estava trazendo droga pra cidade, daí ele viu a polícia e jogou tudo num rio.

Um Dia de Artista

(Foto: TV Globo/Programa do Jô
Um das coisas mais legais que eu já fiz na vida... foi ter ido ao Programa do Jô, com Glecy Coutinho como entrevistada, é claro! A ideia surgiu da própria Glecy, no final de 2012. Lembro-me que estávamos encerrando nossas atividades na Secretaria de Cultura, organizando prestação de contas, quando Glecy falou que gostaria de participar do Programa do Jô. Glecy é Glecy!
Uns quatro meses, depois de enviado o texto, eles me ligam. Eu estava na faculdade e fiquei sem reação, não acreditava que isso aconteceria tão rápido. Depois de vários emails trocados, enviaram as passagens pra gente, eu fui de acompanhante. Foi a primeira vez que andei de avião. Todo mundo olhou pra gente, quando nos aproximamos do cara com a plaquinha da Globo. Éramos artistas. Bom, Glecy já era fazia tempo.